6139-28-Airton_Soares

Muito tempo sem blogar… coisas muito loucas aconteceram desde o meu último post, como o meu primeiro triathlon ( e já uma prova “meio” longa),minha colação em medicina, um mês de Janeiro focado em trabalho, MEU NOIVADO COM A FLÁ, e outras…

Sei que foi muita pregriça minha escrever neste espaço… e foi mesmo, mas não dá pra voltar o tempo, e nem pretendo. O objetivo é ir em frente, sempre, mesmo que isso às vezes pareça impossível. Mas todo atleta sabe isso melhor do que ninguém.

Há cerca de 6 meses, em minha faculdade, recebemos a visita do Tenente-Coronel responsável pelo alistamento obrigatório dos Médicos na nossa região militar (sim, pra quem não sabia, todo homem que se forma em medicina e tem menos de 37 anos tem como obrigação se alistar novamente!!) que proferiu uma palestra muito boa (um tanto quanto fantasiosa é verdade, mas de ótima explanação!!). Fiquei com aquilo na cabeça e decidi que faria por vontade prórpria. Resolvi ser voluntário.

E desde o dia 2 de Fevereiro me encontro no Centro de Preparação dos Oficiais da Reserva no Rio de Janeiro, onde estamos recebendo um treinamento de 45 dias. Esse treinamento, como os próprios instrutores dizem, é só o necessário para “arranhar” um pouco a nossa pele e pintar esse pedacinho de “verde-oliva”, que é a cor do Exército Brasileiro.

Durante esse curso intensivo, temos várias instruções teóricas e práticas que envolvem a vida de um Oficial das Forças Armadas Brasileiras. E como não poderia deixar de ser, temos também o famoso TFM (Treino Físico Militar) que acontece todos os dias pela manhã. E é dele que eu vou falar um pouquinho, visto que esse blog é sobre atividade física, hehe.

Devo falar que as forças armadas é um dos pouco lugares, onde vc tem um tempo estipulado pra prática física diária, e você ainda recebe por esse tempo (lembrando, para os navegantes, que os militares não são regidos pela CLT, ok?). O treino consiste basicamente de um alongamento, um aquecimento articular com movimentos circulares, um aquecimento de flexão, abdominais, agachamento, polichinelos e aí sim a atividade principal, que podem ser muitas. No nosso caso, visto a quantidade de médico SEDENTÁRIO que existe no grupo (fiquei impressionado com isso – como dizem, a medicina acaba com a nossa vida para garantirmos a dos outros…) a nossa atividade principal é a CORRIDA!!

E é uma corridinha leve, bem leve pra gente: cerca de 8:45 min/km, por 20 a 25 minutos!! Mas devo lembrar que isso é pro CPOR!! Os soldados, os paraquedistas, esses possuem um treino mais intenso, com metas maiores.

Depois da corrida, geralmente temos mais flexões, barras e abdominais. Mas garanto que não é todo mundo que faz.

Isso tudo porque teremos um TAF (Teste de Aptidão Física) e o aconselhado é que tenhamos o conceito BOM nas provas, que no masculino consiste de corrida de 12 minutos, flexão no solo, abdominias e flexão na barra. Os índices são por idade do militar, e vai de insuficiente à excelente. E como todo atleta que se preze, estou buscando a perfeição dos índices.

Na corrida, 3100 em 12 minutos (totalmente cabível), nos abdominais 72 repetições (faço mais de 90 seguidas!!)!! Na flexão vou sofrer: faço quase 30 e preciso de 36!!! E na barra que eu tô ferrado: faço 4 chorando e preciso de 12, hehe!! Nunca trabalhei braço, e mesmo na natação, uso uma musculatura totalmente diferente pra braçada. Mas estou treinando pra isso.

Geralmente o expediente termina às 16 horas, e temos à disposição uma academia. Como estou ficando no quartel e não tenho nada pra fazer, voltei a malhar, hehehe!! E às vezes dou uma corridinha num ritmo mais forte do que de manhã!!!

Bem, é assim que tem sido minha vida quartelado: atividade física, instruções e mais atividade física!!

Abraços fortes.

esceb

9 de dez de 2010

No que eu estou me metendo?

Já faz “uns” dias que não posto nada, não é verdade?? HAHAHA!!

Pois venho através desde, questionar minha sanidade mental: porque devo estar muito louco mesmo, pra fazer o que estou querendo nesse domingo que se “achega”…

Foram muitos os que apoiar; Jaques, Jade, Adnam e até mesmo a minha namorada/fotógrafa do blog Flavinha… Alguns perguntaram se eu tinha certeza, outros duvidam até agora (eu incluso), mas não tem mais pra onde correr ou fugir: VOU PARTICIPAR DA MINHA PRIMEIRA PROVA DE TRIATHLON!!

O doido do Jaques vai me emprestar a bike, o maluco do Leo a sapatilha, o retardado aqui comprou um macaquinho… e domingo, em Setiba (Guarapari) vou pra 1.600 m de natação, quase 70 km de ciclismo e 14 km de corrida pra finalizar!! É nego, já vou começar no pau!! Nada de sprint, nada de olímpico… Quase um meio, hehehe. Muito doido!

E não pensa que é moleza não: A água é fria pra caramba, o percurso de bike é vento contra em mais da metade dos 70 km (um vento nordeste que é impecável!!) e com algumas subidas e descidas, e na corrida… gente, do jeito que está fazendo calor aqui no Estado, vai ser debaixo de uma “Soleta” sem comparações.

Ansioso é pouco pra descrever o que eu to sentindo… porque na verdade não é ansiedade… é uma mistura sinistra de um monte de coisa, hehe: medo? pavor? dor? coragem? retardamento???!!

Só sei de uma coisa, e uma coisa eu sei: vou encarar e vou terminar!! De que jeito?? Sinceramente? Não sei!! Mas vou terminar!!

TRIATLO LONGA

6 Milhas Guarapari

Domingueira, véspera de feriado. Acordar cedo porque a prova é em Guarapari e antes da prova ainda tem que pegar o kit e o chip pra correr. Tudo isso no pensamento de sábado à noite, arrumando as coisas pra prova.

Corri em Guarapari esse ano, no desafio de Vitória a Anchieta, mas não tinha participado dessa prova ainda (nos dois anos anteriores não tive como), e pelo que estava vendo no mapa disponibilizado pela organização, ia ter uma subidinha tranquila e o resto praticamente plano. Só estava preocupado com o tempo porque já tinha 2 dias de chuvas direto no Estado.

Mas não é que no domingo, apesar de bem nublado o céu, não estava chovendo? Beleza!! Tomei o meu café normalmente, me arrumei e parti com a Flá pra passar em casa e buscar a minha mãe e depois a Renata. E fomos pra Guarapari num dia nublado!??!, hehe (geralmente a gente vai pra Guarapa em dia de sol pipocando no céu pra pegar uma prainha, e não com possibilidades de chuva, hehe!!).

A corrida tinha largada e chegada marcada para frente da ótica organizadora do envento, no centro de Guarapari, e mesmo eu que sou péssimo para me localizar em locais não muito visitados, não foi difícil de encontrar. Estacionei o carro em uma rua por perto e fomos em busca do kit.

A organização da prova foi legal, mas a entrega dos kits não! Uma bagunça. Um monte de fila sem necessidade. Duas pra pegar o kit e outra (??) pra pegar o chip!?! Por que cargas d’água não colocaram logo o chip no kit?? Vai saber! Só sei que foi uma confusão danada, ainda mais que brasileiro não sabe respeitar fila, nem ordem, nem nada… mas pra não ficar reclamando muito consegui os benditos kits e os chips até que rápido.

Depois do estresse inicial, parei pra olhar e percebi que tinha mais gente correndo do que eu imaginava. E que o tempo continuava perfeito pra correr. Fui fazer meu aquecimento, comprimentei alguns conhecidos, outros nem tanto, e faltando uns 5 minutos pra largada fui me posicionar.

CORRIDA 3ª Corrida 6 Milhas Óticas Guarapari
DISTÂNCIA 6 milhas (9,65 km)
INSCRIÇÃO 20,00 (pelo site Ativo.com)
LOCAL Largada e chegada: Centro de Guarapari em frente à Ótica Guarapari
PERCURSO
KIT 1 camiseta alusiva à prova
1 chip para maração de tempo (tênis)
1 squezze pequeno ou 1 porta objetos

A PROVA

Dessa vez resolvi largar o mais na frente possível. Não tinha plano ou objetivo nenhum pra essa prova (tempo, descanso, treino, recorde… nada!), mas não queria ter que ficar passando um monte de gente lerda na largada, como normalmente acontece aqui no estado. E o pior é que antes da largada ainda tive que ouvir uma mulher, espremida lá na frente, reclamando dos homens que “são cavalos que nos atropelam”. Mas ela foi respondida no ato por um senhor que disse que se não quer ser atropelada, larga lá atrás, a não ser que seja realmente corredora. Só sei que ela abaixou a cabeça e começou a andar pra trás. E realmente, quando olhei, percebi um monte de gente que não tem que estar ali na frente, sabe? Tinha uma senhora de uns 65 anos lá na frente!! O que ela tá querendo ali?? Largada por baias e ritmo deveria ser padrão nas provas não? Mas com certeza, no Brasil, não ia funcionar… se já não respeitam nem uma fila, imagina uma largada separada por tempos…

Bem, largada com 5 minutos de atraso, pra variar… tomei meu sache de carboidrato um pouco antes e parti! Como disse não tinha intenção nenhuma para a prova, mas queria passar logo os que atrapalham. E foi o que fiz! Engatei um bom ritmo logo no primeiro quilômetro e fui em frente passando um monte de senhores, senhoras, e não tão senhoras assim (isso realmente me irrita!!) Tem gente que larga e depois de 15 metros começa a caminhar!!! Vontade de atropelar como um cavalo mesmo. Respirei fundo e fui atrás do meu objetivo… e não é que aquela senhora que vi na frente estava correndo que nem uma maluca?? Sério, nunca vi isso… estava num pace abaixo de 4 min/km e aquela senhora na altura dos 600 m estava correndo como uma louca, tipo… sprintando mesmo!! E todo mundo olhando e não acreditando naquilo, quem corria e quem torcia!! Claro que ela não ia aguentar aquele ritmo louco durante a prova, mas me pergunto: pra que isso?? Sério, foi tão surreal que fiquei com medo da senhora infartar logo na frente! Quando passamos pela marca do 1° km (que bateu direitinho com meu Garmin), ela já não estava mais correndo com a gente…

O primeiro quilômetro e meio foi dentro da cidade, com pequenas subidas e muitas curvas e logo estavamos na orla. E sem vento contra, pensei… na volta vamos dar de cara no vento, então não vou abusar. Diminui o ritmo pra algo em torno de 4:30 min/km e me mantive assim. Como a via estava fechada para os corredores, espaço era o que não faltava. Passei pelo primeiro posto de hidratação mas só peguei o copo não bebendo de imediato. Como tenho costume de me hidratar nos treinos de 20-20 minutos, resolvi fazer o mesmo. Quando vi a subidinha e percebendo que estava chegando perto do 4,5 km onde teria o retorno, aí sim me hidratei e joguei a água no resto do corpo. Assim que comecei a subida, o primeiro lugar já vinha no sentindo contrário a mil por hora, e o segundo logo atrás, cerca de 10”. Pensei na hora: até que não tô mal, porque já tô quase virando também, hehe.

Uma das gratas surpresas da prova foi a presença de um tapete bem na curva de retorno da corrida. Por que grata? Simplesmente porque aqui no Estado, as corridas tem a mania de não ter um tapete em pontos estratégicos e muita gente, mas muita gente mesmo, corta caminho (como aconteceu na 3ª Meia Maratona de Vitória). E na hora do contorno fiz um comentário pro pessoal da organização falando que era a posição ideal do tapete! Só que o cara entendeu tudo errado e começou a falar gracinha comigo… pedi desculpa e falei que estava elogiando… aí um outro corredor, do meu lado me fala: capixaba não sabe receber elogios não!! Bem, fazer o que não?

Mantive um bom ritmo, principalmente porque o vento contra não aconteceu, e percebi que estava correndo junto a dois caras que mantinham a mesma batida, mas um deles, um senhor na casa de 40-45 anos, toda vez que eu chegava ombro a ombro com ele, ele acelerava o ritmo pra ficar na frente. Pensei: isso não vai dar certo pra ele não… uma hora ele cansa. Mas me mantive no meu ritmo o tempo todo. Passei no 7 e 8 km e percebi que estava passando com o melhor tempo que já tinha feito nessas marcas, e pensei em apertar logo, quem sabe não melhorar meu tempo? Mas como não era o objetivo (aliás, como disse, não tinha nenhum mesmo) me mantive na passada estabelecida até o 9 km. Nessa hora o senhor já não estava nem mais comigo, tendo ficado pra trás uns 500 m antes. Então resolvi apertar o passo até a linha de chegada. O corpo já estava cansado, mas como tenho treinado algumas vezes com desconforto, foi mais fácil transferir isso pra prova. E consegui chegar forte, fazendo esses 500-600 metros finais com um pace de 3:45 min/km.

Como cheguei forte, não parei de imediato… fiquei dando uns pulos, e trotando, tentando abaixar a minha frequência cardíaca de forma mais gradual possível. Vi um monte de gente chegando depois passando mal e vomitando (com certeza, por causa do tempo favorável, nego sentou a bota pra melhorar o tempo, hehe). Depois parei pra tirar uma foto, pois a Flá estava logo na linha de chegada.

Depois fiquei aguardando com a Flá a chegada da minha mãe, que correu num ritmo onde ela não sentiu desconforto nos pés. Chegou inteirona e toda molhada, hehe! Grande coroa.

INSCRIÇÃO Bom valor para as corridas aqui do estado
KIT DO CORREDOR Dentro do esperado, com uma camiseta bonita.
PERCURSO Percurso em quase sua totalidade plano, onde os 1,5 kms inicias e finais são dentro da cidade, com um pouco de trânsito. O restante é à beira-mar, em asfalto com ótimas condições. O que atrapalha é a falta de respeito de alguns motoristas.
Percurso de ida e volta.
HIDRATAÇÃO Postos de hidratação em bom número, com água gelada apenas no local da largada/chegada. Muita gente da organização entregando água.
LANCHE PÓS CORRIDA Lanche normal com um suco, uma barra de cereal e uma fruta (maça). Nada de isotônico.
APOIO Prova com bom apoio da polícia, muita gente da organização nos postos de hidratação e largada/chegada. Falhou somente na distribuição do kit antes da prova. Poderia ter sido mais organizado! (mas mais uma vez culpo mais os corredores – brasileiro não sabe respeitar a ordem das coisas, quanto mais de uma fila!!!)
MEDALHA Boa, de metal, bonita!!
AVALIAÇÃO DA PROVA Prova muito boa, rápida, com uma boa organização, apesar de alguns pequenos defeitos comuns a todas as provas aqui do estado. Importante salientar que o tempo ajudou bastante.
MINHA PARTICIPAÇÃO

RESULTADO

O que era pra ser uma prova sem objetivo algum saiu melhor do que o esperado, com um tempo muito bom. Passei com meu melhor tempo nos 7 e 8 kms, mais ainda insuficiente para um 10 k sub-40.

Só não estou totalmente contente, porque o resultado já saiu, mas cadê o meu nome?? Cadê o meu tempo?? Pois é… acho que o chip não pegou a minha chegada não!! No Garmin estou com o tempo de 40:46, e na foto que a Flá tirou 40:53!! Vendo a colocação, ficaria em 100º entre 450 homens, e em 20º na categoria, com 60.

minha_chegada

A foto está um pouco embaçada em mim, mas no tempo não!! Olha o reloginho lá atrás, perto do Michel!!

Bem, mandei um e-mail para a chiptiming e vamos ver o que eles me respondem.

Deixo agora o álbum de fotos, e bons treinos galera!! Abraços a todos.

13 de nov de 2010

Meu primeiro Aquathlon!

No domingo de eleição, um daqueles dias perdidos que não se tem nada pra fazer, porque geralmente tudo está fechado, tiveram uma idéia genial e colocaram uma prova de aquathlon, valendo pelo campeonato estadual, em um clube daqui de Vitória.

Achei até que não teria a prova, devido a data mencionada, mas liguei um dia antes pro vice da federação de tri do estado e o mesmo me confirmou a prova. A ansiedade que já batia no início da semana só aumentou. Foi o resto do dia arrumando as coisas pra prova e pensando em como me preparar pra transição: o que colocar primeiro, em que ordem…

Foi aí que me toquei. Minha transição ia ficar muito prejudicada: primeiro estava sem macaquinho ou top pra competir, então ia ter que correr com camisa e outra, ia demorar uma eternidade pra colocar o tênis sem um cadarço de elástico. Resolvi procurar nas lojas que temos aqui em Vitória e nada… e como já era tarde, não tinha como ligar pra loja do Paulo lá em Vila Velha, porque com certeza já estava fechada. Fui no shopping e nada! Nenhuma loja de esporte aqui em Vitória tem alguma coisa voltada pra triathlon. Nem na Track&Field que abriu há pouco tempo (pelo menos tinha o sache da GU, e acabei por comprar uns 3, hehe!!).

Mas uma luz me bateu na cabeça, e lembrei que o amigo Adnam tinha me comentando que tinha um cadarço desses em casa sobrando e liguei na hora pra ele. O cara salvou pelo menos uns 30 segundos da minha transição. Valeu Adnam!!

Tentei até dormir cedo no sábado, mas não consegui. Não dormi muito bem, mas diferente de algumas outras provas, não fiquei sonhando com a mesma. Pelo menos estava descansado quando levantei. Tomei meu café como planejado, verifiquei se as coisas todas estavam em seu devido lugar, e junto com a Flá, fomos para o clube.

Fiquei até com receio de só aparecer a minha pessoa no clube… aliás era dia de eleição. Ia ser engraçado, mas se tivesse só eu, não queria nem saber! Ia nadar e correr do mesmo jeito. Mas quando chegamos vimos que tinha mais pessoas por lá, principalmente a mulecada do infantil.

Depois de pegar o material fui pra área de transição e meio que dando uma “colada” nos outros, coloquei meu tênis com meias, uma toalha, o óculos, a viseira, o gatorade, a camisa com o número já nela… acho que tudo que devia estava lá. Fui colocar minha bermuda e fazer um aquecimento na piscina ao lado.

Foi defenido as largadas seriam em baterias: primeiro o infantil, depois os da faixa etária, e por último o pessoal da elite. Aí vi que teríamos na faixa etária, umas 8 pessoas disputando.. e na elite umas 8 também!! Fico triste com a tão pouca presença de atletas nas provas, mas conversando com todos percebo que é reflexo de uma má administração da federação de triathlon do estado!! Uma pena realmente! Mas tirando esse lado chato, estava lá pra me divertir.

A prova

A natação foi feita na piscina longa (50 m) e cada competidor em sua raia. Nadei na raia 3 porque estava mais perto do meu material de transição. Ao meu lado o Luciano, que conheci no dia, e pelo que tinha percebido, deveria ser da minha faixa. Os outros competidores eram mais velhos.

A largada foi dada com todos dentro da piscina e encostados na borda. Seriam 20 piscinas de 50 m, totalizando 1000 m de natação. Resolvi nadar com o Garmin na touca de natação, até pra ver como se comportaria em termos de medição. Nos primeiros 100 m percebi que nadei muito forte, tentando acompanhar o Luciano, que estava na raia 2! Mas percebi que se ficasse naquele ritmo ia desistir antes dos 400 m. Diminui a velocidade e tentei encaixar o ritmo que venho fazendo nos meus treinos. Mas devo dizer: foi uma batalha enorme da minha mente contra o meu corpo. Meu início veloz me fez cansar muito rápido, e a vontade de desistir era enorme. Tive que trabalhar muito minha cabeça pra não parar na natação. Parecia que não fluia… que eu não conseguia deslizar na água. Sentia que não ia ter pernas pra correr. Mas não queria desistir e não ia desistir!! Meu corpo podia até querer me sabotar, mas minha mente não ia deixar. Sei que fiquei nessa briga corpo/mente até os 700 m, quando então consegui encaixar um ritmo mais confortável. Parece que o corpo se soltou.

Quando completei os 900 m, vi que o Luciano estava saindo da piscina. Tentei forçar um pouco os 100 m finais pra tentar ir com a mínima diferença pra corrida, mas sabia que ele teria no mínimo uns 2 minutos de frente. Será que daria pra tirar na corrida? Saí da piscina já com tudo organizado na cabeça: primeiro o tênis, depois a camisa, a viseira e por último o óculos. Só que esqueci do Garmin, hehe. Quando tirei a touca, ele veio junto e esqueci de apertar o botão para marcar a transição. Nem dei bola. Coloquei o tênis (sem meia mesmo!!), demorei um século pra colocar a camisa, peguei a viseira com o óculos, o Garmin e sai pra corrida! Se tivesse um top ou um macaquinho, ah.. tinha salvo um tempão.

A corrida eram 5 voltas num percurso dentro do próprio clube, que deveriam completar 5 km. Quando entrei no percurso propriamente dito, vi que o Luciano estava completando a primeira volta. Fazendo umas contas rápidas vi que tinha algo estranho. Ele não podia ter aberto mais de 4 minutos de frente, a não ser que ele estivesse correndo com um pace de 4 min/km ou menos. Quis nem saber, apertei o passo e percebi que ele também apertou tentando me acompanhar. Logo no primeiro contorno percebi que cada volta não ia ter nem 600 m, então a corrida não ia ter 5 km nunca. Tentei apertar um pouco mais o passo, dentro do meu possível. Estava cansado da natação e nunca tinha corrido de tênis sem meia na vida. Vi que o Luciano ainda tentou me acompanhar por mais uma volta mas ou se cansou, ou viu que a fatura já estava garantida e diminuiu o ritmo. Eu tentei apertar mais um pouco e consegui diminuir bem a distância, pra menos de meia volta… mas não tive como pegar o primeiro.  E como tinha notado, a corrida deu 2.8 km!! Metade do que deveria ser!! Se tivesse os 5 km, quem sabe? Mas…

FIQUEI MUITO FELIZ DO MESMO JEITO: tinha acabado de completar minha primeira prova multi-esporte, meu primeiro aquathlon, e tinha ido muito bem. Nadei meus melhores 1000 m do ano, e mesmo não correndo tão rápido quanto podia, consegui manter um pace menor que 4:30 min/km, mesmo cansado da natação. Foi uma prova curta sim… mas foi intensa, hehe.

Resultados

Fiquei em segundo lugar geral na Faixa Etária e primeiro entre os 30-34 (hehe, só tinha eu!!). Mas valeu por vários motivos:

  • Vi que consigo participar bem se estiver organizado;
  • Vi que preciso de um macaquinho ou pelo menos um top – vai melhorar bastante minha transição;
  • Vi que preciso treinar a natação em um ritmo um pouco maior, ficar mais desconfortável, pra suportar no dia da prova;
  • Preciso fazer mais treinos de transição;
  • Preciso de uma bicicleta pra começar a participar das provas de tri, hehe!

Ainda deu tempo de conferir toda a prova da elite e torcer pelo Leonardo Rodrigues (mais conhecido como Bariche) da Equipe Limiar! Ele saiu atrás na piscina, mas correu muito e acabou faturando o primeiro lugar na elite.

Bem galera, foi isso que aconteceu! Desculpe pelo atraso, mas tentei fazer os videos pra postar e não ficaram legais até o momento. Então, quando der, eu posto os vídeos editados. Por isso só deixei o da transição.

Amanhã (14/11) tem as 6 milhas em Guarapari. Provavelmente com chuva, então, até!

Abraços.

12 de nov de 2010

Site muito legal em inglês

Pra quem gosta de triathlon e de gadgets de esportes, indico o blog do DCRainMaker, ele é show de bola. Além do mais ele sempre está fazendo promoções, dando alguns dos dispositivos que ele testa. Dessa vez é um lançamento da Garmin o Forerunner 210.

Saiba como participar nesse link: http://www.dcrainmaker.com/2010/11/november-forerunner-210-giveaway.html

OBS - o blog é em inglês tá?
OBS 2 - estou com dificuldades para editar o vídeo e fazer o post do meu aquathlon! O texto já está feito!

Abraços

27 de out de 2010

Estréia é sempre estréia!!

Domingo agora é dia de estréia: minha prova de Aquathlon! Minha primeira prova multi-disciplinas: natação e corrida!! Valendo pelo campeonato capixaba de Aquathlon, será realizado no Clube Álvares Cabral tendo como percurso 1000 metros de natação (em piscina) e depois mais 5 km de corrida, tudo dentro do próprio clube! Vou participar na categoria 30-34 anos Faixa Etária. Largada às 10:30 h depois da mulecada!! (mais informações, CLIQUE AQUI)

Nervoso com a estréia?? Pra falar a verdade: ANSIOSO! Nervoso eu devo ficar no dia, hehe. Já estou pilhado: como será a natação? Piscina curta ou longa?? Faço a virada olímpica ou faço a normal? Com que óculos eu vou: o que uso em piscinas ou o que uso em travessias? Será que vou conseguir fazer legal a transição? Como faço a hidratação/nutrição durante a prova? Coloco ou não meias? Faço só pra participar ou já sento o bambu logo na primeira prova?? Muitas dúvidas, muito questionamentos e até agora, poucas respostas, hehe. Pelo menos tenho certeza que vai ser um bom teste para ver minha capacidade física e minha natação, depois de um mês de treinos em piscina!

Minha panturrilha esquerda está quase sem dor. O que noites bem dormidas fazem com o corpo é incrível. Há 3 dias durmo como uma criança, e nossa, que diferença. Ontem fiz um trotinho muito leve com a Flá, e senti muito pouco incômodo. Fazendo um intensivo na panturrilha, dá pra participar tranquilamente da prova!! E nos 5 km vai ter que ser com marcha alta e pé em baixo!!

Então que venha a prova domingo!!

PS – alguém com alguma dica aí??

25 de out de 2010

Segunda Banescard 10 km

Ontem aconteceu a segunda edição dos 10 km Banescard aqui em Vitória. Prova organizada pelo banco do Estado, com uma boa premiação para os atletas da elite.

Foi nessa prova ano passado que fiz minha primeira corrida sub-50, nos 10 km! E esse ano eu sabia que podia correr abaixo de 45 min (já fiz duas provas abaixo). Mesmo não tendo realizado treinos específicos de velocidade e subida nesse último mês, e contando com uma lesão nas panturrilhas, sabia que daria para fazer abaixo dos 45 minutos.

Há cerca de um mês, desde que comecei meus treinos de natação, comecei com contraturas nas panturrilhas… primeiro a direita e depois a esquerda. A direito melhorou com apenas 2 semanas de tratamento, mas a esquerda não. Tanto que diminui consideralmente o meu ritmo nos últimos treinos evitando força-la mais ainda. Creio que tudo começou com a virada olímpica na natação, empurrando a parede com os pés. Fiz uma câimbra forte nas duas panturrilhas e disso  a contratura. Mas mesmo assim, sabia que ia conseguir manter o ritmo para fazer mais um sub-45.

Outra preocupação antes da corrida era o calor e o sol que podia fazer. Há 3 semanas estamos com o céu praticamente nublado em Vitória. E justo dois dias antes da corrida, abre aquele sol implácavel. E a largada da prova acontece às 9 horas!!

CORRIDA Segunda Banescard 10 km
DISTÂNCIA 10 km
INSCRIÇÃO 20,00 (no site da ativo.com)
LOCAL Largada: Vila Velha em frente ao Banestes
Chegada: Praia de Camburi
PERCURSO 2_banescard_percurso
KIT - camisa regata alusiva à prova DSC05674
- boné alusivo à prova
- sacolinha
- chip (para o pulso, como na Garoto)
- guia para o corredor

A PROVA

Não dormi muito bem, mas mesmo assim acordei bem cedo. Tomei normalmente meu café e me arrumei pra prova. Tinhamos combinado (eu e minha mãe) de irmos de taxi para não atrapalhar ninguém, até porque a chegada da prova é literalmente em frente de casa. Mas como meu primo também ia participar, acabamos indo de carona com minha tia. Pra nossa sorte o tempo estava nublado, e apesar de muito abafado e quente, não teríamos aquele sol castigando nossas cabeças.

Enontrei com amigos e conhecidos antes da largada e fui para o aquecimento. Durante o aquecimento ouvi o locutor chamando as mulheres para a frente porque elas largariam primeiro!! Já vi a porcaria que ia ser na largada! Perder um tempo enorme pra passar esse povo todo!!

Nem 2 minutos depois, diferentemente do anunciado, foi dada a largada masculina. E foi uma largada tão xoxa, que se eu não estivesse na frente, nem teria percebido!! Nessas horas têm que ter um bom “tiro” pra todo mundo ouvir!! E como eu previa, nem 50 m de corrida e já tinha um monte de mulher andando!! Francamente!! Quer caminhar?? Espera todo mundo largar e vai depois… e fique à direita da pista!! O que acontece: o trajeto em cima da ponte é espetacular! Então muita gente se inscreve para poder passar por ela andando e apreciar a vista, assim como um monte de gente que não participa também!!! E o que acontece?? Atrapalha a todo mundo! Solução para isso tem? Claro. e posso enumerar algumas aqui:

  1. Largada da Elite Feminina 10 ou 15 minutos antes;
  2. Laragada da Elite Masculina junto com a largada geral;
  3. Largada dos partcipantes da geral por baias de tempo pretendido;

Bem, tirando esses problemas, tinha pretendido iniciar a prova num ritmo mais confortável para terminá-la num ritmo mais forte, mas sabendo da subida da ponte e que meu ritmo iria cair bem, iniciei um pouco mais rápido do que o pretendido, mas sem forçar muito. Na ponte, além da subida, um vento contra considerável, tanto que pensei em parar de correr ali mesmo. Mas ciente que era minha cabeça me pregando uma peça, mantive minha concetração e fui em frente.

Na passagem dos 5 km vi que estava com um tempo de 22 minutos, totalmente dentro do planejado, ainda mais sabendo que na parte final que eu iria começar a apertar um pouco… só que entre o 7 e o 8 quilometro comecei a me preocupar com a panturrilha esquerda. Ela tinha dado sinais de dor na descida da ponte, mas continuei sem problemas. Quando chego no 8º, aquela fisgada! Pronto… diminui consideravelmente o ritmo, sabendo que meu sub 45 tinha ido por terra.

Só que entre o 8° e o 9º a dor não aumentou… e quando olhei pro relógio 39 para 40 minutos, pensei… “Por que não?? Já está doendo mesmo!!” … e apertei. Até sprint no final eu fiz! Quando olhei, cadê o relógio da prova?? Não tinha!! Olhei pro meu Garmin e vi o tempo de 44:14. Depois foi só a dor na panturrilha!! E tome água gelada em cima!!

INSCRIÇÃO Feito pelo site, sem problemas. Como sempre em Vitória, um bom preço.
KIT DO CORREDOR Bom o kit, com camisa e boné, apesar de não ter gostado muito da cor da camisa esse ano. E sempre me pergunto: por que nas provas aqui em Vitória, tirando a Garoto, as camisas são sempre regatas??
PERCURSO Provavelmente ouvindo as reclamações dos participantes ano passado, devido ao retorno feito na Mata da Praia, os organizadores aumentaram o percurso dentro de Vila Velha fazendo com que a chegada fosse de forma direta esse ano! Parabéns aos organizadores por essa mudança.
Outro ponto positivo foi a colocação de um tapete após essa mudança, o que pode ter pego muito engraçadinho que furou a prova! Mas seria ideal um tapete na saída da 3ª Ponte.
HIDRATAÇÃO Vários postos de hidratação com água gelada ou na temperatura ambiente. Como é uma prova curta, sem necessidade de isotônico.
LANCHE PÓS CORRIDA Lanche básico com uma fruta (maça), uma barra de cereal e um suquinho! Podia ser melhor.
APOIO Prova bem sinalizada, com o trânsito bem fechado. Boa organização
MEDALHA Semelhante a do ano passado, com os dizeres Segunda! Podia ter mudado, hehe
AVALIAÇÃO DA PROVA Prova muito boa, mas deveria ser aferido o percurso para os 10 km realmente!! Uma medição oficial da prova seria muito bom!
Outro detalhe é a largada das mulheres na frente: não funciona! E atrapalha quem realmente quer correr.
Uma falha da organização foi a não colocação de um relógio no pórtico de chegada!
MINHA PARTICIPAÇÃO

 

RESULTADO

Considerando a loucura de ter acelerado no quilômetro final e correr o risco de ter uma lesão muito mais séria do que tenho no momento, posso considerar-me satisfeito com o resultado. Fiz o que esperava, ou seja, menos de 45 minutos.

Tenho percebido também que se levar mais a sério essa distância e realizar treinos específicos de velocidade (coisa que não tenho feito), tenho total condição de fazer um 10 km sub-40!! Tenho é que treinar!!

Infelizmente não tenho fotos da prova, pois minha fotógrava oficial (a.k.a. minha namorada), não estava presente!!

Agora é cuidar dessa lesão, que no dia 14 de novembro tem outra prova pela frente!!

Abraços

 

No dia 26 de Setembro, aconteceu em Vitória, a 3ª edição da sua meia maratona. E novamente tivemos um percurso novo e diferente, assim como aconteceu nas 2 últimas edições. Dessa vez, eles optaram por percorrer mais o lado leste da ilha, com saída no Sambão do Povo (perto da rodoviária), passando por toda a beira-mar, até o final da Praia de Camburi. Ou seja, na verdade não foi mais um percurso de volta da ilha, como nos 2 primeiros anos, e sim um percurso de MEIA VOLTA na Ilha (só observar o mapa do percurso da prova deste ano mais abaixo, pra todo mundo entender o que estou falando).

Uma das coisas boas do novo percurso é que não passariamos por dentro de São Pedro (com suas várias subidas e descidas) e Santo Antônio. Nada contra esses dois bairros da capital, mas ano passado foi o local mais feio da prova. Imagine a cena: 10 horas da manhã, com 1 hora já de prova, aquele sol infernal na cabeça, você passando por dentro de um bairro onde cada esquina tem um boteco, cheio de nego cachaçado, virado… que em vez de apoiar tá rindo da galera correndo, oferecendo uma pinguinha e ainda mexendo com todas as mulheres que estão passando! Não tem nada mais desanimador não? Pois foi isso que aconteceu ano passado, eu que pelo menos não teriamos esse ano.

O problema é que duas semanas antes eu fazendo um treino, me dei conta que o percurso que eles tinha disponibilizado não tinha como ter os 21 km, iam ficar faltando no mínimo uns 3! Cheguei em casa, entrei no google Earth e não deu outra: 3,5 km a menos do que o esperado. Ou estaria muito errado, ou eles teriam que criar outra solução.

Outro bom fator foi a alteração da largada para as 8 horas da manhã, diferentemente do ano passado que foi às 9!! Minha mãe quase morreu com o calor do ano passado, e muita gente, pelo difícil percurso, completou a prova com mais de 3 horas!! Ou seja, correndo com sol de meio dia na cabeça!

Então vamos lá, para a prova deste ano:

CORRIDA 3ª Meia Maratona Volta da Ilha de Vitória
DISTÂNCIA 21 km
INSCRIÇÃO 25,00 no site da ativo.com
LOCAL Largada: 8:00 h geral no Sambão do Povo
Chegada: Final da Praia de Camburi (perto da Vale)
PERCURSO percurso_meia
KIT - Camisa regata alusiva à prova
- número de peito
- chip

A PROVA

Acordei cedo no dia, e como dessa vez só eu ia correr (minha mãe e meu irmão machucados e a Flá ainda não encara mais do 10 km!!) fui de ônibus para o local da largada. E foi bom ter feito essa escolha porque durante o trajeto percebi como eles resolveram os problemas dos quilômetros faltantes: fizeram entradas para a Ilha do Boi e para a Ilha do Frade! Resumindo: teríamos umas subidinhas boas no meio do percurso, além da subida no quilômetro final, a subida da Vale! Como tinha um plano de correr em 1h50min devido os problemas nas 2 últimas semanas, refiz toda minha estratégia mental da prova dentro do busão!


Encontrei com os amigos e conhecidos de sempre na largada, fiz meu aquecimento e esperei pela buzina… e?? Pois é! Estava programado para a largada da elite femina às 7:45, mas essa só aconteceu às 8! Então a nossa que era pra ser às 8, bem… só às 8 e 20! E lá vai aquecimento pras cucuias!

Bem, após a largada, resolvi estabelecer um ritmo de “cruzeiro” desde o início, sabendo das subidas no meio e no final da prova. E foi o que inteligentemente fiz! Apesar de nublado, estava um dia muito quente, e o vento nordeste que estava já há duas semanas direto em Vitória, não deu tregua! Então foi vento na cara quase durante todo o trajeto, e eu sabia que ia ser pior ainda quando chegassemos em Camburi.

Corri num ritmo muito confotável, mas confesso que fiquei assustado quando passei pelos 10 km e vi 47 min no relógio! Estava correndo mais rápido do que tinha planejado e possivelmente seria cobrado disso no final! E isso ainda no meio da Ilha do Boi, ou seja, tinha mais as subidas da Ilha do Frade, todo o vento contra em Camburi e a subida da Vale. Dimuni um pouco o ritmo, dei uma boa respirada e segui em frente.

A subida da Ilha do Boi foi relativamente tranquila (apesar da bagunça dos carros no local. Assim como nós, aposto que os moradores e frequentadores também não sabiam previamente dessa mudança!) e fiz mantendo o ritmo. Já a subida da Ilha do Frade, confesso, não foi fácil. Bem inclinada, me fez diminuir bem o ritmo. E nessa eu senti um pouco as pernas. A coisa chata desses desvios foi a quantidade de corredor furando os mesmos. Nego tava passando direto, sem se importar se tinha tapete nas subidas ou não! E pior, não tinha! Acho que a organização vacilou nesse quesito. Um tapete na virada da Ilha do Boi e na do Frade teria desclassificado muito nego e nega “espertinhos”! Na real? Será que esse povo não percebe que está se enganando não? Como tudo… “jeitinho brasileiro”! Ai, ai…

Bem, o vento bateu mesmo em Camburi, mas foi bom porque resfriou o corpo. Mantive meu pace planejado e no quilômetro final, com a subida da Vale, percebi que estava dentro do planejado, e em vez de fazer a subida e descida no pau, relaxei e curti o momento, correndo confortávelmente. Cheguei inteirão. E o mais engraçado é que a equipe de apoio médico da chegada tinha um monte de conhecido. Os meninos da minha turma de medicina estavam lá no apoio e ainda sacaniei com todos, hehe. Depois eles me disseram que ficaram impressionados comigo porque eu nem cheguei cansado!! (na verdade cheguei bem cansado sim, só que não exausto, hehe!).

Peguei minha medalhinha, meu kit, abusei da esponja com gelo na chegada, conversei com os amigos, Marcelo apareceu por lá, Flavinha toda queimada por ter ficado dois dias me esperando (no sábado na natação e nesse dia na corrida) e fui feliz pra casa pro mais um dever cumprido!

DSC05659

Chegada com tempo bruto de 1h46min!

INSCRIÇÃO Preço muito bom, e sem taxa extra na ativo. com
KIT DO CORREDOR Simples. Acho que a camisa da prova podia ser de tecido melhor.
PERCURSO Técnico e complicado após o 11 km! Subida no final não é pra qualquer um.
HIDRATAÇÃO Postos de água na largada, a cada 3 km e na chegada! Água gelada esse ano, o que foi muito bom!
Deveria ter um posto com isotônico, ou pelo menos na chegada!
LANCHE PÓS CORRIDA Bom, com frutas, barra de cereal, suco!
APOIO Bem sinalizada, com policiamento durante todo o percurso. Várias ambulâncias e equipe de apoio grande durante  a prova.
Pecou não ter colocado um tapete em uma das subidas dentro das ilhas. Muito gente cortou caminho por ali.
MEDALHA Bonita, de metal e grossa.
AVALIAÇÃO DA PROVA Melhorou muito o potencial turístico da prova por não passar por São Pedro, tornando a prova um pouco menos desgastante do que ano passado. A alteração do horário de largada também foi muito bom, apesar do atraso.
As partes chatas ficaram por conta dos “desvios” que não foram anunciados antes: a – muita gente pensou que o percurso fosse ser totalmente plano, o que não foi.
b – a galera furando os desvios, cortando caminho mesmo
MINHA PARTICIPAÇÃO

RESULTADO

Fiquei feliz com a minha participação: melhorei meu tempo numa meia, percebi que se treinar focado pra prova posso correr abaixo de 1h35min numa próxima, e cheguei bem fisicamente, mesmo tendo participado de outra competição um dia antes.

DSC05660

Feliz após mais uma boa prova!

Agora estou só mantendo a rodagem semanal pra próxima prova, semana que vem: os 10 km da Banescad. Falando nisso… hora de sair para mais uma corridinha… fui!

No dia 25 de setembro foi realizada na Praia de Camburi a 4ª Etapa do Circuito Capixaba de Águas Abertas, cerca de um mês depois da última etapa. Lembro que logo após a 3ª pensei em fazer minha inscrição em um clube qualquer, porque teria pelo menos 8 treinos certos e que iria detonar na última etapa (até então eu pensava que seria a última!).

Mas, pra variar, nada foi do jeito que planejei. Na verdade, não fiz minha inscrição em clube algum e nem na praia eu nadei… começou a bater um vento Sul em Vítória, que além de deixar a água fria, deixou o mar bem agitado no mês que antecedeu a prova. Resultado: não nadei nada de uma etapa para a outra. Só corri. Bem, pelo menos isso me manteve com um bom trabalho cardiorespiratório, porém…

A PROVA

O dia amanheceu bonito, com um pouco de vento sul, o mar um pouco batido e muito, mas muito raso mesmo. Quando entrei pra fazer um aquecimento, percebi que tive que andar quase uns 50 m mar adentro para poder dar uma braçada sem tocar a mão na areia. E percebi que a largada ia ser interessante.

Praia de Camburi

Praia de Camburi com mar mexido. Cone de chegada e a 2ª (ao fundo) e 3ª bóias.

Como pensei que ia ser a última etapa, e pensando nas anteriores, achei que se chegasse em segundo, e pelo menos na frente do Leo (que ganhou a primeira etapa), eu provavelmente seria o campeão da minha categoria no estado. Beleza!! Só não deixar o cara chegar na minha frente, hehe. Só que logo vi que ele não ia nadar. Lembrei que a filha dele estava pra nascer na última etapa, então provavelmente ele não iria participar dessa. Então não tinha que me preocupar com isso e ainda sabia que os militares (que me tiraram a vitória nas últimas 2 etapas) não iriam participar. Fiquei tranquilo.

A largada, como disse, foi interessante. Durante o pequeno “briefing” antes da largada, a golfinha só foi autorizada na chegada, após passar as boias vermelhas do cone de chegada. Mas não tinha como não golifinhar no início… estava muito raso. A seguequência de fotos que a Flá tirou é até engraçada… na largada todo mundo pulando… de repente… todo mundo de pé de novo!

DSC05608

Largada 1: todo mundo na água.

DSC05610

Largada 2: todo mundo levantando e golfinhando… isso por pelo menos uns 50 m

A prova não foi fácil pra mim. Não estava me sentindo bem (tudo bem, saí um dia antes e tomei umas 3 cervejas!!), mas na verdade eu não estava conseguindo “fluir” na água. Estava pesado, não conseguia evoluir. Cada braçada parecia um passo atrás em vez de pra frente. Achei minha participação uma porcaria. Só não foi de tão ruim, porque melhorei muito o meu contorno nas bóias e não parei nem uma vez sequer pra arrumar os óculos, mesmo com água neles!!

DSC05623

Eu sou o mais a direita, de toca preta.

RESULTADO

O percurso de 1500 m (1600 m no meu Garmin) foi feito em 32’23”, ficando novamente em 2° lugar na minha categoria. E novamente com um vencendor diferente. Dessa vez foi o Richard que nadou pra 27 minutos. E olha que tinham colocado o cara na categoria errada, mas antes da entrega das medalhas eu e ele fomos até a mesa e corrigimos o mesmo.

Gostei do resultado mas não gostei do jeito que nadei. Realmente preciso nadar mais, melhorar as minhas braçadas, usar mais as pernas… ou seja, preciso treinar, se não quiser fazer feio na próxima. Pois é…. achava que a 4ª seria a última, mas não… vai ter mais uma, em Dezembro. E dessa vez, ah, dessa vez eu vou treinado.

 

25 de set de 2010

Ainda vivo!

Pois é galera! Ainda estou vivo! Sério, não morri!

Hoje já fiz a travessia valendo pela 4ª etapa do capixaba de águas abertas (depois faço um post sobre) e amanhã tenho a 3ª meia de Vitória. Não vou mais correr pra 1h38’ como planejado, mas vou me divertir.

Então até!